Thursday, December 11, 2008

UM JOGADOR BRASILEIRO NO GREEN BAY PACKERS!

[Esta matéria pode e deve ser difundida livremente em todo ou em parte por colegas da mídia profissional, blogueiros, fans de esporte, amigos e familiares. Agradece-se a citação da origem.]


No ano passado eu estava comentando, aqui na Hungria, um jogo de Louisville contra Connecticut creio, e dei de cara com o nome Breno Giacomini no elenco de jogadores. Até disse no ar que o nome Breno é um nome bem brasileiro, como se isto fosse fundamental para a cultura do telespectador húngaro. Meu parceiro de transmissão Zoltan Hetthessy ajudou com algum comentário benéfico e depois da partida eu esquecí e já estavamos conversando sobre o próximo jogo da NCAA que faríamos.

No mês passado, pouco depois de voltar da minha viagem, recebí um email do meu amigo e incentivador Alvaro Martin, (que muitos brasileiros conhecem atrávés de muitos anos de NFL Semanal, e de jogos com geração da ESPNdeportes) me dando o toque de que tinha um jogador brasileiro no Green Bay Packers: Breno Giacomini!





Acho que todos os brasileiros que acompanham futebol americano já há alguns anos lembram-se do Damian Vaughn, filho de pai americano e mãe brasileira. E muitos se lembram da alegria que ele causou quando visitou o Brasil com o Tony Gonzales do Kansas City Chiefs. Muitos conheceram este tight end que até representou o Barcelona Dragons no All Star Team da NFL Europe em 2000, e foi contratado pelo Tampa Bay Buccaneers onde já teria jogado a temporada de 2002 se não fosse por uma contusão da qual não mais se recuperou. E todos os brasileiros estavam torcendo por ele.

Graças à gentileza da NFL, entendendo a alegria que um jogador de origem brasileira pode nos causar, e a cortesia do Green Bay Packers, hoje recebí um telefonema do Breno e batemos um papo.

Durante 27 anos nos Estados Unidos conhecí muitos mineiros, principalmente de Governador Valadares, que para lá imigraram buscando uma vida melhor. Trabalhadores incansáveis, muitos fizeram um pé de meia e voltaram para o Brasil, muitos lá ficaram e constituíram familias e seus filhos lá nascidos integraram se na vida americana, mas sempre mantendo suas raízes brasileiras. É o caso do Breno.

Falei do nosso encontro telefônico marcado com algumas pessoas em papo no msn, e pedí até que colaborassem com algumas perguntas. Dennis Prants, do campeão do SC Bowl quis saber qual a sensação de entrar no Lambeau Field, sabendo toda a sua história. Breno disse: “É tudo! E você sabe que tem que entrar para jogar mesmo.” E quanto à história, a organização do Packers cuida que ninguém esqueça onde está. Há sinais por todos os lados.

O Fabiano Alves, um dos moderadores da Lista Redzone, queria saber qual era o maior desafio em estar no time que iniciou as dinastias na NFL, e Breno muito imediatamente respondeu que o desafio é tentar ser sempre melhor. Jogar sempre melhor.

Giacomini é um bloqueador, um offensive tackle no Packers. Este é o seu primeiro ano na NFL e por enquanto participou dos 4 jogos de pré temporada de Green Bay e da vitória de 48 a 25 sobre o Detroit Lions na Semana 2 , quando jogou também em special teams.




Mas no Cardinals da Universidade de Louisville, a mesma que revelou talentos para a NFL como Johnny Unitas, Deion Branch, Sam Madison, e David Akers, Breno Giacomini além de jogar como bloqueador jogou também como tight end e marcou um touchdown em 2005 na vitória de Louisville sobre Rutgers. Ele lembra este TD até hoje como um grande momento: “o time estava na linha de uma jarda, fiz um roll out pra direita e recebí o passe do Brian!”

O Brian em questão é o quarterback Brian Brohm, que foi recrutado também este ano pelo Green Bay Packers, na segunda escolha da segunda rodada do Draft 2008, para ser reserva do Aaron Rodgers. Perguntei ao Breno que tal treinar com o Brian agora no Packers. “É ótimo! Nós moramos juntos. É tipo como um irmão.” O bloqueador Jason Spitz, também recrutado pelo Packers, foi outro colega de time em Louisville. Breno, que não chegou à se encontrar com Brett Favre, fala muito bem do QB Aaron Rodgers com quem ja tem uma boa relação e garante que Rodgers vai levar Green Bay longe.

Breno, recrutado em 15º lugar na 5ª rodada do Draft, disse q a espera foi tensa mas a alegria maior. Com grande festa de família e amigos. Seus pais mineiros entendem bem o futebol americano já que ele começou a jogar ainda na Malden High School, em Massachussets, e apoiam a sua carreira, A mãe dele ficou particularmente feliz, já que ele garantiu seu diploma de Administração Desportiva na universidade. Breno quer continuar em esporte para sempre, como técnico, ou o q seja.

Ricardo Trigo, do Corinthians Steamrollers, quis saber se Giacomini, sendo filho de brasileiros, jogou muito futebol com os pés. E de fato Breno jogou com a bola redonda até trocá-la pela oval na escola. Ele era goleiro. Comentei com ele que vários técnicos da NFL que entrevistei através dos anos disseram que o maior diferencial no futebol americano era a necessidade de um total espírito de equipe. “Usamos capacetes”, me disse uma vez o técnico Bill Cowher na semana que o seu Pittsburgh Steelers venceu o Super Bowl XL. Breno concorda e assinala que num time de futebol dois jogadores destaques muitas vezes já garantem uma vitória.

A nossa conversa foi em português que ele fala bastante bem e em inglês no qual é naturalmente mais fluente. Ele não estava muito à par do andamento da bola oval no Brasil. Agora já está mais...

Quis pegar também uma pergunta com o Everaldo Marques, da ESPN, que mandou bem: “Hoje no Brasil a NFL é muito popular entre os garotos na faixa de 10-15 anos, e muitos sonham – why not? – em chegar à NFL um dia, Existe algua dica que você possa dar para este pessoal?” A dica do Breno é... trabalhar. Todos os dias. Ser determinado. Muitos podem tentar desencorajar, como até com ele aconteceu. Determinação. “Sem trabalhar não vão chegar”, ele completa.

Breno já esteve no Brasil umas 10 vezes visitando a família. A mãe dele gosta muito dele estar jogando no Packers, onde até as cores são as da bandeira brasileira. Perguntei (e já pedindo) se numa próxima visita ele poderia contribuir com o conhecimento e a experiencia dele conversando com a galera que joga, dando uma clínica ou coisas assim. A resposta dele foi um entusiástico... “sim, com prazer”! Tudo pode acontecer.

Go Breno! A bola é sua!

Video com Breno no Vestiário do Green Bay Packers

18 comments:

André Heiras said...

parabéns pela matéria adler, com certeza é uma alegria um brasileiro na NFL, creio que o primeiro de muitos.

Vinicius said...

é assim que se inicia o interesse da massa em um esporte novo.

eu sei que é difícil um OT chamar muita atenção, mas é uma marca importante.

em breve podem ser posições de mais destaque e aí sim garantirá o interesse das mídias nacionais nesse nosso esporte tão querido.



muito boa a matéria Adler!
abraço!

Jayson Braga said...

Muito bom Adler! O mais importante que não é na posição de kicker somente que estamos tendo destaque.

Grande abraço amigo!

Paulo Zarpellon said...

Pena que o ademar não jogou pelos bucs, mas de qualquer forma, aí está o primeiro!

www.titansbrasil.blogspot.com

=)

¬argentino said...

Com certeza é um marco no esporte!!

Parabéns pelo blog e os recentes posts sobre Futebol Americano (continue com eles que dá mais ibope ;) hehehe)

Abração,

Matias Argentino
Corinthians Steamrollers

Daniel Leandro said...

desculpe mas acho mal ficarem pensando que o jogador é brasileiro, assim como acontecia com o Vaughn...
de acordo com o site do Packers:

Personal

Given name Breno Gomes Giacomini
Name is pronounced BREH-no GEE-ah-co-MEE-knee
[b]Born in Cambridge, Mass. [/b]
Single
Active with Cards Care program in college, visiting hospitals, schools and other events
Sold hot dogs at Fenway Park as a high schooler
Sister, Andressa, plays center on the basketball team at the University of Massachusetts Lowell
Parents moved to Massachusetts from Brazil before he was born
Enjoys playing basketball
Residence: Malden, Mass.

Resumindo: Ele é americano, e os pais se mudaram para o Brasil após ele nascer. Mas não deixa de ser americano, até agora não vi um brasileiro (nascido no País Tropical) jogar na NFL...

André José Adler said...

Ora, Daniel!!!

"Durante 27 anos nos Estados Unidos conhecí muitos mineiros, principalmente de Governador Valadares, que para lá imigraram buscando uma vida melhor. Trabalhadores incansáveis, muitos fizeram um pé de meia e voltaram para o Brasil, muitos lá ficaram e constituíram familias e seus filhos lá nascidos integraram se na vida americana, mas sempre mantendo suas raízes brasileiras. É o caso do Breno."

Acho que neste trecho eu deixei bem claro que o Breno não nasceu no Brasil.

E veja este trecho da Constituição Federal:

"Art. 12. São brasileiros:
I - natos:
c) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, pela nacionalidade brasileira; "

Ou seja, se o Breno quiser morar no Brasil pode até ser eleito Presidente da República, coisa que eu como brasileiro naturalizado (para a sorte geral) não posso.

Talvez seja mais importante sacar que há também gens 100% brasileiros que produzem biotipos de tamanho suficiente (Breno tem uns 2 metros), e com força de vontade para chegar a jogar na NFL. E mais importante ainda é que o Breno se dispos à dar uma força pra bola oval no Brasil.

Ora, Daniel!

abraços

Renato Bastos said...

Parabéns pela a matéria Adler.
Show de bola.
Sucesso e Boa Sorte para nosso Breno.
Go Packers.

Pedro Obliziner said...

vai lá breno, parabens pra você! Agora os fãs brasileiros vão torcer ainda mais pelos packers, time que já era bem popular por aqui

Lucas Silva said...

Muito boa a materia Adler.

Entrem no Forum Center Ice, de hóquei no gelo:

www.forumcenterice.forumeiros.com

x.Alan.x said...

Tomara que assim como ele, muitos garotos que sonham com a NFL tambem consigam chegar!

Vlw Adler.

endzone said...

Cool

Monsenhor said...

Meus parabéns Adler pela matéria. Pontos para o Brasil e tantos outros pontos para você que é um grande colaborador da difusão do Futebol americano para o Brasil.

Abraços

Daniel Chywen

Buda Petermann said...

Exemplo!

fox said...

Meu Deus! Quanta felicidade em saber que temos um representante das terras tupiniquins jogando no time que leva as cores da nossa bandeira (piegas não?).
Parabéns André... Mais uma vez, a experiencia e o carinho nos proporcionaram alguns minutos de alegria, esperança e felicidade para quem ama esse esporte.

andre_rozendo said...

Uma bela matéria, um "Furo" de reportagem sem dúvida...parabens..
Qnto ao Breno...me pareceu mto esclarecido e centrado no q faz...espero q ele possa de alguma forma ajudar a alavancar o FA aqui no país! abraços!

Zicado said...

Ele não é brasileiro o cara viveu toda sua vida nos EUA, não desmerecendo ele mas o primeiro brasileiro vai ser o que iniciou sua careira aqui, em times daqui. Como os jogadores brasileiros da NBA.
E é claro que na constituição ele é brasileiro mas fora ¬¬

fernanda mg said...

Adorei saber da entrevista com Breno! não tinha a minima ideia da repercussão de FA aqui no Brasil ! Nossa familia fica mt feliz em saber que há tantas pessoas felizes com o trabalho dele ! estamos achando o maximo ... rs
obrigada a todos que torçe por ele